quinta-feira, agosto 04, 2011

INDEPENDENTEMENTE CONFUSA E SUPER SEGURA EM: O Passeio na Serra

Certo dia, a Independentemente Confusa decidiu que ia viajar pra espairecer. O gatinho da vez estava a fim de um fim de semana especial, e ela, que estava na estafa do trabalho, aceitou. Claro que antes encontrou a Super Segura para ter certeza de que essa seria uma boa ideia. Em um café, no fim do dia, as duas trocaram confidências:


IC: Então amiga, o que você acha? O Rodrigo quer muito sair um pouco daqui - Indagou, a Independentemente Confusa.

SS: Ué? Vai! Qual o drama da vez? - Desafiou, a Super Segura

IC: Não fala assim. Sabe que minha relação com ele é só de ficar de vez em quando, que tenho medo de me envolver e me ferrar mais um vez... - Explicou.

SS: Amiga, para com isso. Ele é bacana. Te curte de montão. Quer só ficar um pouco longe dessa doideira que é o Rio de Janeiro - Condescendente.

IC: Eu sei, eu sei... Mas sei lá, algo me diz que não é uma boa.

SS: Bom, então siga seus instintos e perca uma viagem romântica - aconselhou a amiga.

IC: Não, também não é pra tanto. Pode ser que seja um medo bobo de me envolver com mais uma cara errado, né?

SS: E se for? Mais um, menos um...

IC: É, você tá certo. O que pode dar errado em dois dias no mato com um cara lindo e gostoso, né?

SS: Ah, garota, assim que se fala! Vai nessa. Arruma a mochilinha e parte pro amor! Nem que seja por dois dias!! Eu estarei aqui. Me liga se precisar! - Encorajou a amiga.

IC: Ah, o que seria de mim sem você!

A Independentemente Confusa levanta e dá um beijo na amiga. Deixa uns trocados e vai embora saltitante.

SS: Espero que dê tudo certo mesmo - fala para si mesma.


Fecha na titubeada da Super Segura.


No dia seguinte, a Independentemente Confusa já fez a mala e levou direto para a labutao. Às 18h o garotão maroto buscou-a na porta do trabalho. Foram ouvindo o CD do Otto nas alturas. Pararam no meio da estrada para uns amassos pontuais. Seguiram para a tal casa que um amigo dele emprestou pelo fim de semana. Subiram a Serra cantando ao som de Céu. Entraram na estrada esburacada. Cada salto do carro era uma gargalhada. Chegaram na casa.


IC: Que gracinha de lugar! – Exclamou, a Independentemente Confusa com sorriso no rosto.

RODRIGO: Gostou, gata?! Tudo pra você – disse com voz e jeito de galã de novela mexicana.

IC: Adorei, gato! Maravilha! – deu um pulinho e abraçou o galã.


Alguns minutos depois, as malas já estavam abertas no chão. E os dois se amaram como se não houvesse amanhã. No fim da noite, os dois viram “Kika”, um filme de Almodóvar, que ela ama e ele trouxe para agradar sua amada. O clima era perfeito. A noite foi fria e os dois dormiram de conchinha. Quando ele pegou no sono, a Independentemente Confusa pegou o celular e mandou uma mensagem para Super Segura:


“Amiga, está tudo na mais perfeita harmonia. Não poderia ter tomado melhor decisão. Obrigada”.

E apagou.


No dia seguinte, conheceram o Zé, caseiro do palacete, no meio do mato. Muito simpático e agradável Seu Zé tomou a liberdade de dar uma ideia ao casal embebido de paixão.


SEU ZÉ: Olha, o almoço tá ficano pronto. Aqui perto tem uma casa que tem uma menina lá que tá suzinha e que pediu ajuda pra comprá uns mantimentu pra armoçá. Qu'ces acham de chamá a moça pra cumê cum nós?

Na hora a Independentemente Confusa estava efusiva e não pensou duas vezes:

IC: Claro, Seu Zé! Tem comida pra uma família comer junto. Chama a moça!

Dali há uma meia hora chegou Michele, uma moça bonita, de outro estado, que ali estava passando um fim de semana pra descansar:


MICHELE: Pois é, estou muito cansada da cidade. Minha mãe tem essa casa de veraneio e às vezes venho passar alguns dias para pensar - contou.

IC: Que bom ter um lugar assim. Nós viemos com o mesmo objetivo. Respirar novos ares. Mergulhar no rio. Ver o verde - sorridente.

MICHELE: É importante ter esses momentos. Ainda mais em casal. Vocês namoram há muito tempo?

IC: Não, não namoramos. Estamos nos conhecendo – E se afasta para pegar mais um copo de vodka com suco de laranja.

RODRIGO: E você, o que faz uma menina tão linda sozinha por aqui? Não tem namorado? - soltou o menino com voz de galã.

MICHELE: Não. Estou numa fase de autoconhecimento, sabe? Estou querendo me descobrir – E termina mais um copo de vodka com suco de laranja.

RODRIGO: Deixa eu pegar mais pra você – Pega o copo das mãos de Michele, e encosta nos dedos dela, deixando deslizar um pouco. Ela olha com susto, mas o sorriso dele é conquistador e a menina devolve o mesmo sorriso com os lábios apertados.

Mais afastados, preparando a segunda garrafa de vodka com suco de laranja, Independentemente Confusa e Rodrigo trocam algumas palavras:

IC: Ela é legal, né?

RODRIGO: Muito.

IC: Que bom que Seu Zé teve essa ideia. A princípio achei estranho, mas se ela está sozinha pode ser boa companhia.

RODRIGO: É.

IC: Tá bom de Vodka?

RODRIGO: Põe mais.


Os dois voltam à conversa.

IC: Nossa, nem comemos direito. Sobrou tudo! – E cai na gargalhada. Todos riem, se abraçando – Cadê o Seu Zé?

MICHELE: Acho que ele desceu pra comprar mais bebida.

IC: Mais? Já acabamos com três garrafas! – E caem na gargalhada novamente.

(...)

MICHELE: E aí, ele me pegou e me levou pra casa – E caem na gargalhada.

corta com uma ideia, a Independentemente Confusa: Vou descer atrás do Seu Zé pra pegar mais bebida!

E sai pela estrada afora atrás de Seu Zé. Encontra o caseiro chegando com os mantimentos em sacolas. Abraça o Seu Zé, pega uma das sacolas e vai conversando amenidades com o novo melhor amigo na subida até a casa. Chega à cozinha e começa a guardar as coisas, tropeça e ri. Seu Zé acha tudo muito engraçado e se aproveita da condolência da moça da cidade grande.

A Independentemente Confusa vai ao banheiro e quase cai. Mas volta às gargalhadas, mais contidas quando vê Seu Zé. Ao chegar na porta da varanda, dá de cara com uma cena inesperada. Rodrigo se atracando com Michele. São beijos quentes e mãos bobas por tudo quanto é lugar do corpo dos dois. O frio lhe sobe a espinha dorsal. Por um segundo esfrega os olhos e não acredita no que vê.. No segundo posterior sai de encontro ao novíssimo casal já gritando:


IC: É isso mesmo? É isso mesmo que eu to vendo?

RODRIGO: Gata! Vem aqui! – Entre os beijos puxa a IC às gargalhadas com Michele. Ela fica assoberbada. Não tem reação. Se livra das mãos do cara e vai direto pra dentro da casa. Sai de novo e eles continuam se pegando no maior amasso dos últimos tempos. Ela olha em volta e o que vê é o notebook de Rodrigo, conectado a caixas de som às alturas tocando Led Zeppelin. Ela pega as caixas e sai com tudo. Joga o equipamento na piscina.


IC: Seu verme filho da p...! Tá pensando o que da sua vida, seu M... Que P... É essa? Sai dessa casa sua Piiiiiii!


Os dois se entreolham e percebem que a coisa é séria! A Independentemente Confusa está irada. Volta pra dentro da casa e pega uma faca. Seu Zé vê toda a cena atônito, mas corre atrás da Independentemente Confusa e a segura, prevendo uma tragédia. Ela chora e berra. Michele se recompõe e sai em debandada. Rodrigo pula na piscina pra tentar salvar seu Mac. Seu Zé não sabe o que fazer e carrega a Independentemente Confusa pra casa dele, nos fundos da casa principal. Ela chora até ser derrubada pelo sono.

No dia seguinte ela acorda com 15 mamutes siberianos dançando em sua cabeça. Abre os olhos inchados e não sabe onde está. Procura alguma coisa comum aos seus sentidos e enxerga Seu Zé fazendo café.


SEU ZÉ: Ô moça! A noite foi agitada. Toma esse café pra melhorar essa cara - Ele lhe entrega uma caneca.

IC: Ah... É... obrigada. Mas onde estou? - Se recompondo.

SEU ZÉ: Está na minha casa. Achei mio te trazê pra cá antes que fizesse uma besteira - Olha com carinho paterno pra moça tentando se recompor.


Os dois conversaram baixinho pra cabeça da Independentemente Confusa não estourar. Ela foi se lembrando de tudo e foi tomada por uma vergonha infinita. Logo ela, uma mulher moderna e independente passar por isso... Não entrava na cabeça dela. Ela foi até a casa principal e encontrou Rodrigo deitado no sofá, chorando baixinho. O Mac Book pro dele no chão, junto com as caixas de som, encharcados. Ela se sentou na ponta do sofá e os dois não falaram nada por no mínimo 40 minutos. Depois disso ela levantou e lhe trouxe um chá. Ele tomou com os olhos tão inchados quanto os dela.


RODRIGO: Me desculpa, gata. Me desculpa.

IC: Não, não desculpo. Nunca vou entender o que passou na cabeça pra fazer isso comigo.

RODRIGO: Eu não queria te magoar. Só achei que... Nós... Não sei. Você é sempre tão pra frente, tão independente, tão mulher contemporânea.... Que achei...

IC: Não acredito! Você achou que eu poderia transar com vocês dois? É isso?

Rodrigo emudeceu.

IC: Putaquilpariu! Mas você é muito burro! Muito! - batendo com uma das mãos na perna.

RODRIGO: Pois é... Não imaginei que você fosse tão... tão... quadrada.

IC: Quadrada!!! Rodrigo, você realmente... Fez tudo errado. Me perdeu pra sempre. E ainda perdeu uma boa oportunidade - e sai pra cozinha.

Ele vai atrás.

RODRIGO: Como assim?

IC: Se você falasse comigo, me desses indícios, me falasse ao pé do ouvido...

RODRIGO: Você está dizendo que...

IC: Que você fez tu-do errado! Quem sabe, se chegasse com jeito, me seduzisse primeiro. Como você pôde achar que eu ia chegar e ver meu gato se pegando com outra e ficar com tesão?

RODRIGO: Achei que vocês estavam tão enturmadas...

IC: Cala a boca! Da próxima vez você deixa as mulheres se descobrirem primeiro, se for esse mesmo o caso. Mas dessa vez, faz o seguinte. Junta sua coisa e vaza daqui!

RODRIGO: Como assim?

IC: Assim gato! Pega e vaza!

RODRIGO: Mas a casa é do meu amigo...

IC: Problema seu e do seu amigo. Vai embora sem olhar pra trás. Tira meu telefone do seu celular e carrega esse equipamento molhado daqui.


Quando Rodrigo olhou para porta viu Seu Zé com cara de poucos amigos. Não teve saída. Juntou os trapos e se mandou em menos de 15 minutos. Depois que ele foi a Independentemente Confusa ligou para a Super Segura.


CORTA


IC: ... Mas homem é muito burro mesmo... Fiquei enfurecida, amiga!!!! Quase acabou com meu dia. - silêncio - Ué? Então ele saiu daqui com o rabinho entre as pernas... – e sorriu ainda se recuperando do nervosismo, mas já muito leve.


No fundo Seu Zé enche mais um copo de vodka com suco de laranja e leva para Independentemente Confusa que sorri cúmplice e desliga o celular. Os dois brindam o final da tarde de domingo ao som de Amy Winehouse. Michele aponta na porta da cozinha, ainda muito sem graça, mas a Independentemente Segura manda ela entrar e serve um copo para ela também brindar. As duas sorriem se entreolham e miram em direção ao Seu Zé.

CORTA.

3 comentários:

Anônimo disse...

Minha Flor, tempão, hein!
Adorei o diálogo. Super ilustrado, e com uma trilha sonora bacana também.
Agora parte p a segunda parte, quando a Super Segura dá de cara com o Rodrigo na praia, no dia seguinte...
Bom te ver.
Bjs,
Peter.

Margs disse...

Honey, A-DO-REI....Melhor assim ficar expectativa do que pode ou não acontecer...
bjks,
Margareth

Juan Otoya disse...

hahaha, bom material!